Luciana Prado Fotografia

Mentoria: meu maior orgulho!

Hoje quero contar a história da Danieli Castoor, que iniciou a mentoria comigo em setembro de 2010. A história dela sintetiza o que é a mentoria, o que eu busco e ofereço. Gosto de ver o talento de alguém desabrochar e de participar de forma continuada desse processo, estabelecendo uma relação duradoura, onde possa compartilhar meu conhecimento e criar atalhos para a descoberta fotográfica de alguém. Foi assim que nasceu a mentoria.

Danieli Castoor se inscreveu na primeira seleção para a mentoria, ainda em 2010. O e-mail dela era uma delícia de ler, contava sua história, parecida com tantas outras, mas com um tempero próprio, que já mostrava sua personalidade. Assim como eu e muitas outras, a porta de entrada dela na fotografia foi o nascimento de sua filha. Esse é um começo comum e o que se segue a ele é que faz a diferença. O que começa como um reflexo do amor de mãe, precisa transcender e se transformar para tornar-se profissão, passando por muito estudo.

Desde o primeiro dia no fórum ela já me impressionava com seu interesse, empenho e dedicação.
Não esqueço sua resposta ao segundo exercício que propus:

Cada um de vcs deve fazer um retrato de uma pessoa de qualquer idade. Este retrato deve passar uma emoção específica e deve utilizar de forma predominante o seguinte elemento da linguagem fotográfica: o uso consciente da cor.

Seu tema era energia. Ela, que já vinha me impressionando, apresentou esta sessão de fotos com a filha:

E o seguinte texto:

Mais um exercicio pra aprender muito. Uma lista de erros… um atrás do outro. Primeiro armei todo o circo e fotografei em ISO 2000 (sem querer). Quando fui ver as fotos estavam com muito ruido. Deletei todas.
Comprei mais material, o outro não servia mais. Mudei de cômodo, pq a chuva apertou e a casa ficou mais escura. Na sala entrava mais luz e a posição que a Laurah ficou (e não quis mudar de forma alguma) dava mais sombra ainda. Ela se movimentou todo o tempo… (acho q dá pra ver pelos rastros de tintas)… e muitas fotos ficaram tremidas. Ah…e depois da ultima tentativa… vi que deixei o WB pra dia ensolarado… rs rs rs
Só que não tinha mais energia pra começar tudo de novo.
A Laurah tenho certeza que animaria… mas a fotografa tinha cansado…
Mas está ai a que mais gostei. Ou melhor a que mais representa o meu tema. OU ao menos deveria.
Energia – COR
Pensei de cara em amarelo. SOL….
Criança… energia pura… (bem sei disso)
Só o amarelo e a criança faltava alguma coisa…
Pensei em leva-la pra correr…. mas a chuva não permitiu.
O jeito foi improvisar dentro de casa.
Pensei em pintura… mas pintar de amarelo??? faltava a ENERGIA… Adicionei o vermelho.
Essa pintura toda não demorou 10 minutos… tamanha a agilidade e energia da modelo
Não sei se escolhi certo, mas meu exercicio está aí.

Minha resposta:

Um dia, e não está longe este dia, vc vai achar que a técnica é o mais fácil, aquilo que é tranquilo, garantido. Como andar de bicicleta ou escovar os dentes, vc não vai nem precisar pensar duas vezes. Essa é a parte fácil de aprender e ensinar.
A parte mais difícil: o olhar, a sensibilidade, a vontade e a criatividade. Essas são características que vc pode até cultivar e aprimorar, mas se elas não estiverem dentro de vc, não existirá o artista, apenas o técnico. Vc tem tudo isso e para completar, muita energia! Fico feliz de poder ver esse talento desaborchar e ter um pequeno papel nessa trajetória, te ajudando a organizar o que já é parte de vc!
Parabéns, foto maravilhosa, momento lindo e cores perfeitas. Tudo grita energia, a dela e a sua! Parabéns!

Resposta dela:

Pequeno papel não… vc é a ENERGIA principal que está movendo tudo isso…
Muito obrigada.

E isso para mim resume o que é a mentoria: organizar o que já é parte de alguém. E é isso que busco. E foi isso que vivemos, eu e a Dani, ao longo deste tempo. Ela sempre estava motivada, buscando, pesquisando, trazendo perguntas e levantando temas. Fazia fotos o tempo todo, sempre com total entrega, com ela nunca se tratava de cumprir um exercício como se fosse obrigação, era muito mais, sempre se superava. Não digo com isso que ela veio pronta ou que sempre acertava, claro que não, ela cometia seus erros, precisava aprender algumas noções básicas de técnica fotográfica e desenvolver a arte da paciência, seu maior desafio! ;-)

Desde setembro de 2010 até hoje, a Dani continuou mostrando essa paixão pela fotografia. Estudou, perguntou, pesquisou, descobriu. Nestes quase 18 meses, em meio ao estudo, fez incontávéis sessões de fotos, primeiro com a filha, depois com filhos de amigos e finalmente com desconhecidos que a procuravam após ter visto fotos dela. E não cobrou um tostão. Porque estava aprendendo. E essa é uma postura importante, porque como eu sempre digo aqui, cliente não é cobaia. E o equipamento “profissional” não faz o fotógrafo. Este texto que já publiquei aqui no blog resume bem essa idéia que norteia a mentoria:

Hoje eu recomendo: se você está começando, se não sabe ainda o que é iso, velocidade, abertura, profundidade de campo, fotometria, compensação de exposição, entre vários outros conceitos, aprenda antes de gastar sequer mais um tostão. Se não sabe como esses conceitos se relacionam, o efeito que eles têm no resultado das fotos, não há câmera último tipo que faça de vc um fotógrafo. Um bom livro de fotografia e muito treino vão aumentar a qualidade de suas fotos muito mais do que qualquer equipamento, e por apenas algumas dezenas de reais! Muitos passam horas analisando uma foto em zoom total no photoshop, procurando cada pequena imperfeição que possa ser atribuída a lente, e não dedicam o mesmo empenho à feitura da foto, à composição dos elementos, à história que a foto conta e à emoção que ela evoca.
Uma câmera reflex de entrada e uma lente 50mm f/1.8 (que custa em torno de 450 reais, nova) é tudo o que vc precisa para começar. Depois aproveite essa fase deliciosa de aprender sobre fotografia sem se dedicar a fazer disso um negócio. Aliás, a segunda pergunta que mais recebo e também vou reproduzir minha resposta aqui é esta: comprei uma reflex, meus amigos querem que eu faça fotos dos filhos deles, quanto eu cobro? Na verdade, esta pergunta está diretamente ligada à anterior. Como gastam muito em equipamento logo de cara, ficam ansiosos para ver esse dinheiro voltar logo ao bolso, e a resposta que parece óbvia é fazer da fotografia uma fonte de renda. Minha resposta, que não é muito popular, e esta: quanto deve cobrar quem está aprendendo? Nada! Quem está ainda na fase do aprendizado deve se considerar de sorte se tiver amigos dispostos a ser cobaias. O melhor conselho é aproveitar o hobby sem querer fazer dele um negócio. Faça várias sessões, deixando claro que a pessoa que se dispuser a participar estará colaborando com seu aprendizado. Dessa forma, a relação não envolverá cobrança nem stress (quem paga tem direito de exigir qualidade profissional, não é bom se colocar nessa posição enquanto ainda se está vulnerável, aprendendo.) É importante ter a liberdade para cometer erros, por mais que seja um clichê, é assim que se aprende! Para os amigos que forem cobaias, ofereça algo em troca, como uma dúzia de fotos impressas em tamanho 13X18, como recordação da sessão. Eu comecei assim, e fiz isso por uns dois anos. E me divertia tanto fazendo essas sessões que, honestamente, naquela época eu até pagaria pela oportunidade! rs Para que ninguém abuse, ofereça você a sessão para quem quiser e deixe claro que tudo deve ser de acordo com os seus termos, vc não cobra, mas escolhe a hora e o lugar, por conta da luz, dá palpite no figurino, enfim, comanda a cena. Quando estiver produzindo um trabalho de qualidade profissional de forma consistente, aí sim é hora de avaliar se é o caso de iniciar um negócio.

Tempos depois, quando já nos conhecíamos bem e a mentoria já estava avançada, a Dani comentou que tinha me escrito uma vez, muito antes de eu ter falado na mentoria e que já não tinha esse e-mail, mas lembrava-se que tinha sido um momento especial em sua vida. Ela escreveu no dia em que entrou pela primeira vez em meu site e reconheceu no que eu fazia o que ela queria para sua vida. Eu, que não apago nada, fui buscar em minha caixa de entrada e achei este e-mail, que ela me autorizou a compartilhar aqui no blog:

Luciana,

Me chamo Danieli, moro em Betim -MG e estou começando a estudar fotografia. Quero fotografar crianças, bebes, familias… exatamente o que encontrei no seu site.
Escrevo para dizer que meus olhos se encheram de brilho, luz, vida e sentimento observando seu trabalho!
Me formei em Terapia Ocupacional, mas depois que minha pequena Laurah nasceu vi como é maravilhoso registrar momentos e emoçoes… e foi essa a razao de querer me tornar fotografa profissional.
Estou começando, vou comprar minha primeira camera… E se um dia for dar algum curso em SP… quero estar na primeira fila.
Obrigada por ter feito meu coraçao pular e ter mais certeza do que quero fazer pro resto da vida…

um beijo,
Danieli Castoor
Futura colega de profissao

Pois é, o futuro chegou. E eu, mais que orgulhosa, apresento para vocês essa fotógrafa maravilhosa, grande amiga, que está iniciando suas atividades profissionais agora em março de 2012. Seja bem-vinda, Dani, o sucesso te espera e eu estou imensamente feliz de fazer parte dessa trajetória!

A seguir, fotos atuais dela:

O site da Dani ainda não está no ar. Quando estiver pronto, vou avisar aqui no blog para vocês conhecerem mais do trabalho dela.

Para receber as notícias sempre em primeira mão, é só curtir a minha página no facebook!
Para comentar este post, clique aqui.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Write a Comment





  • About Luciana Prado Fotografia

  • Blog da fotógrafa Luciana Prado, especializada em fotografia infantil e de família, localizada em São Paulo.
    Clique AQUI para enviar um E-Mail luciprado@uol.com.br

    Visite o site Luciana Prado Fotografia.